quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Elegia A Um Rosto ( Ajuda-me)





Uma mulher sem rosto, flores cobrem-lhe. Há flores em seus cabelos, há flores em seu rosto e em suas mãos. Rosto inexpressivo, como queria que estivesse apaixonada. Chove lá fora, ecoam os trovões em meu peito. Não queria, perco o controle, tanta raiva. Raiva não sei do que, por quê. Venha me acolher em um abraço, abra as suas asas. Beije-me, volte seus olhos noturnos. Habite em meu peito, traga a doçura aos dias meus. Rosto inexpressivo, moça dê-me seu perfume. Socorra-me.

Um comentário: